PAULO E OS GREGOS EPISÓDIO II: Perguntas são importantes

Fazer perguntas não é falta de fé! Questionar não é duvidar, é um indício de sede de conhecimento. A verdade tem poder para libertar. Seja livre!

Já se perguntou porque faz as coisas que faz? Eu já, muitas vezes. Já perguntou as pessoas a sua volta porque elas fazem as coisas que fazem? Eu já, e notei que na maioria das situações falta uma certa clareza nas respostas, e em algumas vezes que essa pergunta é feita, nem há uma resposta.

Bem, uma vez  ouvi uma história simples da qual gostei muito e hoje me sinto compelido a compartilhá-la:

 

#O PEIXE

Certa mulher preparava a refeição de sua família, um bom cesto de paẽs e um belo assado de peixe. A família ao juntar-se a mesa admirava o assado de peixe sempre tão bem preparado, sem a calda e a cabeça do peixe.

O filho mais novo indagou: Mãe porque toda vez que você prepara peixe corta a cauda e a cabeça?

A mãe gentilmente respondeu: É uma receita antiga, está na minha família à anos, eu não ousaria alterar ela, minha mãe sempre preparou assim.

A resposta era direta mas não contentou a criança que solicitou carinhosamente a sua mãe uma resposta mais esclarecedora.

A mãe para agradar ao filho, dirigiu-se a casa da avó da criança e fez a mesma pergunta:

– Mãe porque toda vez que você preparava peixe para nossa famíla cortava a calda e a cabeça?

A avó respondeu com as mesmas palavras:

– É uma receita antiga, está na nossa família já faz tempo, eu mesma aprendi com minha mãe, ela sempre fez assim.

A criança era persistente e sedenta de informação, queria a resposta completa. Então todos juntos, avó, mãe e neto dirigiram-se a casa da bisavó que aos 90 anos não hesitou em preparar uma refeição para seus visitantes.

Todos os 3 surpreenderam-se ao admirar a bisavó preparando peixe assado, no entanto esse preparo estava com o peixe inteiro, ela manteve a cauda e cabeça no assado.

Enquanto comiam a avó perguntou:

– Mãe lembra de quando eu era criança e você assava peixe para nossa família?

– Sim, eu sempre gostei de fazer essa receita.

– Mãe lembra que sempre cortou a cabeça e a cauda do peixe?

– Sim. Mas bom mesmo é assar o peixe inteiro!

– Então porque me ensinou a cortar a cauda e a cabeça?

– Filha eu não te ensinei assim, você aprendeu a fazer assim porque me observou fazendo.

– Mas porque fazia assim?

– Ah, é que eu tinha uma forma pequena e seu pai pescava peixes muito grandes que não cabiam na forma, então pra caber eu cortava a cabeça e a calda.

Daquele dia em diante a mãe da criança aprendeu que nada é como parece ser. E o quanto é importante saber porque a receita é feita do jeito que é feita.

 

#A RECEITA RELIGIOSA

A história me faz pensar sobre as religiões e suas formações, aprendi que é muito mais fácil passar adiante um passo a passo, uma receita para que tudo vá bem, do que explicar os porquês e como as coisas acontecem. Como na história do peixe, a mulher por toda a vida achava que cortar a cabeça e a cauda do peixe aumentaria o sabor ou deixaria mais agradável, afinal a receita foi passada de geração para geração, mas tudo começou porque o peixe era maior do que a forma, ela não sabia que se deixasse o peixe inteiro o assado seria melhor, ela não sabia que podia deixar o peixe inteiro, porque foi ensinada que deveria cortar as extremidades do peixe, a mulher por toda a vida seguiu um manual de como assar peixes, sem nunca questioná-lo, sem experimentar.

Seguir o manual não é fé. A mulher não seguia o passo a passo de como assar o peixe porque tinha fé no resultado. Nem a criança semeou dúvidas anti-fé quando indagou o porque assar desta forma. Naquele menino havia sede por conhecimento, o menino perguntou não porque não queria seguir a receita, ele questionou porque queria entender como funcionava. A pergunta do menino não indicou falta de fé mas sede por conhecimento.

É comum que as religiões, sejam quais forem, tragam consigo um manual de instruções de como seu seguidor deve proceder para alcançar determinados objetivos. A isso chamamos de doutrina. E também é comum que em alguns momentos as pessoas confundam a doutrina com leis intocáveis que não podem ser questionadas. E se esqueçam que as pessoas que estão ali ouvindo são seres humanos dotados de inteligência. E chegam a existir casos onde o conhecimento é proibido. Mas tudo isso porque na visão de algum líder do passado naquela religião foi mais fácil colocar um passo a passo de como preparar o peixe, do que explicar que o peixe poderia ser preparado de inúmeras maneiras.

Uma amiga me falou que um bolo preparado pelo marido dela é melhor do que o bolo de muitas mulheres, isso porque o marido dela nunca muda a receita, sempre preparado do jeito e na ordem em que está escrita na receita original, e o resultado é bom, enquanto muitas mulheres gostam de alterar os ingredientes e a sequência de preparação para experimentar e por isso nem sempre fica bom. Essa também é uma boa metáfora para a fé, às vezes seguir uma receita da forma como foi escrita para um leigo é muito mais fácil, e uma boa forma de se alcançar um resultado uniforme. É algo plenamente entendível alcançar o resultado que a receita promete. Mas todos desejam a mesma coisa?

 

#VAMOS QUESTIONAR?

Em minha caminhada percebi que questionar também é importante, e não significa dúvida para quem faz a pergunta, mas às vezes quem ouve a pergunta a interpreta incorretamente como falta de fé. E se a mãe do menino não aceitasse ter sua receita questionada? Nunca saberia que tinha a liberdade de uma refeição maior.

Pense em tudo o que você faz. Em tudo que aprendeu que deveria fazer. Porque faz? Porque deve?

Não duvide, apenas pergunte a si mesmo: Porque? Para que?

Nos textos cristãos, Jesus diz: “Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”. A verdade não aprisiona, ela liberta. E se sua mente não é livre é porque não ainda precisa conhecer a verdade.

Aristóteles falava que a verdade chega a nós por experimentação, somente é possível conhecer o que é a verdade se experimentarmos. Mesmo que não acredite, a experimentação pode te dar provas de verdade e então você poderá conhecê-la. Prove!

Platão dizia que a verdade é colocada dentro de nós de forma indireta, como o culto racional que citamos em outro artigo, ele falou que precisamos acreditar para então provar da verdade e conhecê-la. Se você tem fé, acredite, você pode fazer perguntas!  (leia nosso artigo sobre VERDADE)

Acreditamos que se existe um Deus – acreditamos que exista – Ele não deixará sua divindade apenas por ser questionado. Acreditamos que um Deus que é Deus pode responder perguntas. Qualquer forma de poder inquestionável é somente uma forma de sofrer calado. Se esse Deus é Onisciente, como Ele não teria a resposta? Como Ele não ouviria sua pergunta? É claro que ele ouve, e é claro que tem a resposta. Se houvesse uma pergunta que Ele não pudesse responder, essa pergunta o faria deixar de ser Deus.

Algumas vezes antes eu ouvi a desculpa de que “algumas coisas não podemos mesmo saber, porque enlouqueceríamos”, “algumas coisas só vamos saber quando morrermos”, “a resposta é tão complexa que a mente humana não entenderia e por isso Deus não explica”.

Mas o Deus judaico-cristão respondeu essa questão de outra forma quando Isaías escreveu:

“Clama a mim, e responder-te-ei, e anunciar-te-ei coisas grandes e ocultas que não sabes.” Jeremias 33:03

O mesmo Deus cristão disse através do livro de Marcos: “E lhes propôs: “Quem, porventura, traz uma candeia para colocá-la sob uma vasilha ou debaixo de uma cama? Ao invés, não a traz para ser depositada no candelabro? Pois nada há de oculto que não venha a ser revelado, e nada em segredo que não seja trazido à luz do dia. Se alguém tem ouvidos para ouvir, ouça!” Marcos 4:21-23

 

#CONHECIMENTO NAS PERGUNTAS

Fazer perguntas não é falta de fé! Questionar não é duvidar, é um indício de sede de conhecimento. Talvez o Deus que você procura em rituais e não encontra, seja revelado a você quando corajosamente O questionar!

Porque você corta a cabeça e a cauda do peixe para assa-lo? Porque tem medo de assar o seu peixe inteiro?

Hoje eu te passo um desafio. Se você acredita na receita que aprendeu a seguir e tem medo de questionar. Ouse, pergunte e a resposta te apresentará coisas grandes e ocultas que ainda não sabes.

Se vocẽ duvida, eu também te lanço, eu também te lanço o desafio. Seja audacioso. Experimente, como Aristóteles falou. Faça uma pergunta que é importante para vocẽ. Ela será respondida!

 

A verdade tem poder para libertar!

 

Deixe seus comentários aqui

comments